Intrusão - Grau 3

Responder
oalentejano
Curioso
Curioso
Mensagens: 75
Registado: 14 fev 2008, 00:02
Profissão: Coordenador
Localização: Portalegre_City
Enviou: 2 vezes
Agradecimento recebido: 1 vez

Intrusão - Grau 3

Mensagem por oalentejano » 16 mai 2018, 19:38

Boa tarde.
Alguém me pode esclarecer uma duvida.
Os Sistemas de intrusão de grau 3 têm de estar obrigatoriamente ligados a uma central tipo Prosegur? Ou podem simplesmente realizarem chamadas para um telemóvel, por exemplo?
Claro a central têm de ser certificada para grau 3.


Cumprimentos do Alentejo.

FernandoMeco
Curioso
Curioso
Mensagens: 6
Registado: 04 mai 2018, 00:36
Profissão: Tecnico instalador alarme e cctv
Localização: Sesimbra
Contacto:

Re: Intrusão - Grau 3

Mensagem por FernandoMeco » 25 mai 2018, 13:46

Não necessitam de estar ligados a uma central.

Não sei se é o seu caso, mas este é para ourivesarias.
A Portaria n.º 273/2013, de 20 de agosto, alterada pela Portaria n.º 106/2015, de 13 de abril determina no Art.º 97º que as ourivesarias estão obrigadas a adotar um sistema de videovigilância, um sistema de deteção de intrusão e uma caixa-forte ou cofre, com um nível de segurança mínimo de grau 3 de acordo com a norma EN 1143-1 ou equivalente, dotada de sistema de abertura automática retardada, e dispositivo mecânico e eletrónico de bloqueio da porta, fora do período de funcionamento.

A instalação do sistema de videovigilância requer a afixação dos avisos previstos no n.º 5 do Art.º 31 da Lei n.º 34/2013, devidamente acompanhados pela simbologia definida no Anexo VIII da Portaria n.º 273/2013. Relativamente ao prazo de conservação das imagens gravadas, a Lei n.º 98/2015 determina no n.º3 do Art.º 67º que os sistemas de videovigilância das ourivesarias devem preservar as imagens gravadas por um período de 90 dias. Já o sistema de deteção de intrusão deve possuir grau de segurança 3 se estiver ligado a uma central recetora de alarmes (CRA), podendo ser de grau inferior caso não se encontre ligado a CRA.

A não adoção destes sistemas e medidas de segurança constitui contraordenação grave, nos termos do disposto na al. b), do n. º2 do artigo 59.º da Lei n.º 34/2013, punida com coima entre 7500 euros a 37500 euros, no caso de pessoas coletivas, e de 300 euros a 1500 euros no caso de pessoas singulares.

Responder

Voltar para “Sistemas de Segurança”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante