Eletrotecnia Básica: Protecção contra Sobreintensidades – Sobrecargas e Curto-circuitos

Responder
Avatar do Utilizador
admin
Admin
Admin
Mensagens: 4045
Registado: 02 set 2006, 13:05
Profissão: Eletricista
Localização: Algarve
Enviou: 54 vezes
Agradecimiento recebido: 68 vezes
Contacto:

Eletrotecnia Básica: Protecção contra Sobreintensidades – Sobrecargas e Curto-circuitos

Mensagem por admin » 17 mai 2019, 20:44

Abordamos o tema específico "Protecção contra Sobreintensidades – Sobrecargas e Curto-circuitos": com disjuntores magnetotérmicos, fusíveis e relés e respectivas tabelas com as correntes estipuladas e convencionais de funcionamento e não funcionamento.
15.5.2. Protecção contra sobreintensidades – continuação

B – Disjuntores magnetotérmicos

Disjuntor é, de acordo com as RTIEBT, o aparelho mecânico de conexão capaz de estabelecer, de suportar e de interromper correntes nas condições normais do circuito. Este aparelho é ainda capaz de estabelecer, de suportar num tempo especificado, e de interromper correntes em condições anormais especificadas para o circuito, tais como as correntes de curto-circuito.

Nota: Um disjuntor é, em regra, previsto para funcionar pouco frequentemente, embora certos tipos de disjuntores sejam capazes de manobras frequentes.

Na prática, um disjuntor não é mais do que um dispositivo constituído por um detector – o relé –, por um órgão de disparo – o disparador –, que actua no interruptor e dotado ainda de meios convenientes para extinção do arco eléctrico. Assim, o relé detecta o defeito e dá ordem de atuação ao disparador que atua diretamente no interruptor do circuito. Na generalidade, os disjuntores de Baixa Tensão, o relé e o disparador fundem-se num só. Nesse caso o relé-disparador actua directamente sobre o interruptor.

Do exposto, pode concluir-se que os relés tanto podem funcionar integrados em disjuntores, como independentemente deles com as funções mais variadas. Em qualquer dos casos, a função dele é sempre a de ‘detectar’ e dar ordens. São, por isso, dois aparelhos que podem ser distintos.

Existem fundamentalmente dois tipos de disjuntores: o disjuntor magnetotérmico e o disjuntor diferencial. O cérebro de qualquer um deles é sempre um relé. Assim, no disjuntor magnetotérmico, o cérebro é a combinação de um relé eletromagnético e de um relé térmico. No caso do disjuntor diferencial, o cérebro é um relé diferencial. O disjuntor diferencial será estudado mais adiante.
transferir.png
Figura 27 · Disjuntores Magnetotérmicos.

Dada a sua importância, vamos analisar aqui o funcionamento do relé térmico e o do relé eletromagnético, os quais fazem parte da constituição do disjuntor magnetotérmico.

O relé térmico é constituído por duas lâminas metálicas diferentes, portanto de diferentes coeficientes de dilatação linear, soldadas rigidamente, conforme se exemplifica na Figura 28.
transferir (1).png
Figura 28 · Princípio de funcionamento de um relé térmico. 1 – Lâmina 1; 2 – Lâmina 2; 3 - Enrolamento; 4 – Contactos eléctricos.

Quando a corrente, que percorre o enrolamento que a envolve, ultrapassa o valor nominal (ou valor de regulação) a temperatura será suficiente para encurvar a lâmina bimetálica, abrindo assim o circuito onde está inserido em série.

O relé eletromagnético é constituído por um núcleo magnético com uma armadura B que bascula em torno de um eixo (e) e fecha um ou mais contactos quando a força magnética, devida à excitação do núcleo pela bobina A, é suficientemente intensa para vencer a acção antagonista da mola m.
transferir (2).png
Figura 29 · Relé eletromagnético.

A partir do princípio de funcionamento destes dois relés, podemos facilmente concluir qual o fim a que se destina cada um deles. Assim, o relé térmico, devido à sua actuação em função do aquecimento na lâmina bimetálica, tem uma actuação lenta, sendo tanto mais lenta quanto menor for o excesso de corrente. Daí que seja utilizado na protecção de canalizações e receptores, contra sobrecargas.

O relé eletromagnético, actuando por excitação do núcleo ferromagnético provocada por um determinado valor de intensidade, será praticamente instantâneo logo que esse valor seja ultrapassado. Daí que seja utilizado na protecção de canalizações e receptores, contra curtos-circuitos.

Existe uma grande variedade de relés que permitem que se efectue previamente uma temporização, isto é, uma regulação do tempo de atraso no funcionamento – são os relés temporizados. Nesse caso o relé só actua nas condições pré-determinadas, ao fim do tempo de regulação.

Quanto ao relé diferencial referi-lo-emos mais à frente, integrado no disjuntor diferencial.

Ainda quanto ao disjuntor magnetotérmico existem dois tipos principais: disjuntor tipo industrial e disjuntor tipo doméstico.

O disjuntor tipo industrial obedece à Norma CEI 60947 e tem características próprias para ser utilizado em zonas fabris, onde existem influências externas muito diversificadas e funcionam máquinas eléctricas de diferentes tipos e regimes de funcionamento, com arranques, acelerações, paragens, entre outros. As suas características principais são:

• Corrente estipulada In – sem limites de valor e com possibilidade de regulação em muitos disjuntores;
• Tensão estipulada Un ≤ 1000 V;
• Poder de corte – depende do valor da corrente estipulada;
• Curva caraterística – definida pelo fabricante.

O disjuntor do tipo doméstico obedece à Norma CEI 60898. As suas caraterísticas principais são:

• Corrente estipulada In – limitada a 125 A e sem possibilidade de regulação;
• Tensão estipulada Un ≤ 400 V;
• Poder de corte – depende do valor da corrente estipulada.

Os valores normalizados do poder de corte são: 1,5 kA; 3 kA; 4,5 kA; 6 kA; 10 kA; 15 kA; 20 kA; 25 kA; 50 kA; entre outros.

A Norma CEI 60898 especifica os limites de intensidade para os quais os disjuntores residenciais devem disparar, em caso de curto-circuito, os quais são:

• Curva B: 3 × In a 5 × In
• Curva C: 5 × In a 10 × In
• Curva D: 10 × In a 14 × In

Para disjuntores industriais, a Norma IEC 947 define os seguintes limites dos disjuntores:

• Curva B: 3,2 × In a 4,8 × In
• Curva C: 7 × In a 10 × In
• Curva D: 10 × In a 14 × In

Na Figura 30 representam-se as curvas características típicas de disjuntores magnetotérmicos, com protecção contra sobrecargas e contra curtos-circuitos. A protecção contra sobrecargas é feita pela curva de tempo inverso (do térmico) que é comum às três curvas (B, C, D); a protecção contra curtos-circuitos é feita quando a corrente atinge um valor situado nos limites indicados acima. Evidentemente que cada disjuntor tem só uma das curvas (B, C ou D) indicadas na Figura, contra curtos-circuitos. As curvas B, C e D têm as seguintes aplicações:

• Curva B: é utilizada na protecção das cargas mais favoráveis, como cargas resistivas, aquecimento, e outros;
• Curva C: é utilizada principalmente na protecção de tomadas de corrente e iluminação fluorescente;
• Curva D: é utilizada na protecção de cargas bastante indutivas, com correntes de arranque elevadas (motores eléctricos potentes, por exemplo), transformadores, entre outros.
transferir (3).png
Figura 30 · Curvas B, C, D do funcionamento de um disjuntor magnetotérmico.

Tal como o fusível gG, também o disjuntor magnetotérmico é caracterizado pelas grandezas In, Inf e I2, com as seguintes definições:

• Corrente estipulada In de um disjuntor é o valor da corrente para o qual o disjuntor não actua;
• Corrente convencional de funcionamento I2 é o valor de corrente para o qual o disjuntor deve atuar durante o tempo convencional;
• Corrente convencional de não funcionamento Inf é o valor de corrente para o qual o disjuntor só deve atuar depois de expirar o tempo convencional.

Os valores de In, Inf e I2, bem como os tempos convencionais são indicados nos Quadros 25 e 26.
transferir (4).png
Quadro 25 · Tempos convencionais dos disjuntores do tipo doméstico.
transferir (5).png
Quadro 26 · Características dos disjuntores.

No Quadro 27 comparam-se as características dos dois tipos de disjuntores de Baixa Tensão – doméstico e industrial.
transferir (6).png
Quadro 27 · Características dos disjuntores de Baixa Tensão.



AUTOR: José V. C. Matias, Licenciado em Engenharia Electrotécnica (IST), Professor do Ensino Secundário Técnico, Autor de livros técnico-didáticos de eletricidade e eletrónica
Fonte: Revista "O Electricista"

Fonte: https://www.voltimum.pt/artigos/licoes- ... rotecnia-3
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem, tem de estar registado


Continue a participar activamente.
A sua colaboração é fundamental para existência do fórum

Responder

Voltar para “Conceitos”